Fauna

Fauna
Fauna do Parque Nacional da Peneda-Gerês.

 

Aquila chrysaetos Águia-real 
Águia-real Aquila chrysaetos (® AJBarros) | Garranos Equus caballus celticus (® AJBarros).

No Parque Nacional da Peneda-Gerês existe um conjunto de biótopos naturais que suportam uma fauna diversificada.

As condições climatéricas desta área protegida, caracterizada por elevadas precipitações e amplitudes térmicas moderadas, proporcionam uma grande produtividade primária e permitem a manutenção de variados biótopos com uma grande diversidade de espécies animais.

Dos invertebrados, grupo até agora pouco conhecido no Parque Nacional, destacam-se, pela sua importância em termos de conservação, duas espécies de borboletas Euphydryas aurinia e Callimorpha quadripunctata, um escaravelho Lucanus cervus e um gastrópode Geomalacus maculosus.

Estão recenseadas 235 espécies de vertebrados, o que é bem representativo da diversidade deste grupo, nesta área protegida. Do total, 204 são protegidas a nível nacional e internacional por convenções e legislação específica. 71 pertencem à lista de espécies ameaçadas do Livro Vermelho de Vertebrados de Portugal.

Nos cursos de água de montanha e de planalto, onde foram inventariadas 4 espécies de peixes, salientam-se a truta-do-rio Salmo trutta, como a mais abundante e característica, e a enguia Anguilla anguilla pelo seu estatuto de conservação, “Comercialmente ameaçada”. Destacam-se ainda outras espécies associadas aos cursos de água, como a toupeira-de-água Galemys pyrenaicus, a lontra Lutra lutra, o melro-de-água Cinclus cinclus, o lagarto-de-água Lacerta schreiberi, a rã-ibérica Rana iberica e a salamandra-lusitânica Chioglossa lusitanica.

Em termos de aves estão identificadas 147 espécies, mas a diversidade varia consideravelmente ao longo do ano e entre diferentes biótopos presentes no Parque, pelo facto de muitas destas espécies serem migradoras. Salientam-se pelo seu estatuto de conservação e/ou pela reduzida área de distribuição em Portugal a águia-real Aquila chrysaetos, a gralha-de-bico-vermelho Pyrrhocorax pyrrhocorax, o bufo-real Bubo bubo, o falcão-abelheiro Pernis apivorus, o cartaxo-nortenho Saxicola rubetra, a escrevedeira-amarela Emberiza citrinella, o picanço-de-dorso-ruivo Lanius collurio, e a narceja Gallinago gallinago, que tem, no Parque Nacional da Peneda-Gerês, o único local de reprodução conhecido para Portugal.

Quanto aos morcegos, identificaram-se 15 espécies no Parque, das quais 10 têm estatuto de ameaça. Destas, 5 estão classificadas como "em perigo" de extinção, nomeadamente o morcego-de-ferradura-grande Rhinolophus ferrumequinum, morcego-de-ferradura-pequeno Rhinolophus hipposideros, morcego-de-ferradura-mediterrânico Rhinolophus euryale, morcego-rato-grande Myotis myotis e morcego-lanudo Myotis emarginatus.

O esquilo-vermelho Sciurus vulgaris, espécie cuja distribuição era, até há pouco tempo, marginal e pouco conhecida em Portugal, é uma singularidade da fauna de mamíferos do Parque, apresentando populações em franca expansão geográfica.

Salienta-se ainda a ocorrência de espécies com particular importância em termos de conservação da natureza, como a marta Martes martes, o arminho Mustela erminea, as víboras (víbora-cornuda Vipera latastei e a víbora de Seoane Vipera seoanei) e o lobo Canis lupus, espécie estritamente protegida pela Convenção de Berna e considerada em perigo de extinção em Portugal, a única espécie da fauna que tem uma legislação específica, a Lei nº 90/88, de 13 de agosto e o Decreto-Lei nº 139/90, de 27 de abril, que a regulamenta.

O corço Capreolus capreolus, emblema do Parque Nacional, encontra-se aqui bem representado, com diversos núcleos populacionais em situação favorável.

 Lacerta lepida - Sardão
Corço Capreolus capreolus (® AJBarros) | Sardão Lacerta lepida (® AJBarros).