Você está aqui: Entrada / O ICNF / Notícias / Eventos / Dia do Parque Natural da Arrábida | 28 julho

Dia do Parque Natural da Arrábida | 28 julho

Dia do Parque Natural da Arrábida | 28 julho
Parque Natural da Arrábida

Pormenores do evento

Quando

2018-07-28
de 18:30 até 22:30

Nome do Contacto

Telefone do Contacto

265 541 140

Adicionar evento ao calendário

 
Sobre o Parque Natural da Arrábida
 

A instalação do Parque Natural da Arrábida (Decreto-Lei nº 622/76, de 28 de julho) visou proteger os valores geológicos, florísticos, faunísticos e paisagísticos locais, bem como testemunhos materiais de ordem cultural e histórica.  

O valor da fauna e flora marinhas da costa arrábida foi contemplado através de um Parque Marinho contíguo. Na zona do cabo Espichel a proteção visa as arribas marinhas, espécies vegetais endémicas, a nidificação de aves e a preservação de icnofósseis.
 
O Parque Natural da Arrábida deve o seu nome à principal unidade geomorfológica de toda a área, a designada cordilheira da Arrábida, constituída por três eixos diferentes:
  • o primeiro composto por pequenas elevações nos arredores de Sesimbra, pelas Serras do Risco e da Arrábida e pelas colinas existentes entre o Outão e Setúbal;
  • o segundo formado pelas Serras de S. Luís e dos Gaiteiros; e
  • o terceiro formado pelas Serras do Louro e de São Francisco. 

 

Esta área destaca-se pela sua relevância paisagística, sendo caracterizada, particularment,e pela presença de espécies da flora da região macaronésica.
 
A Serra da Arrábida é um local fundamental para espécies calcícolas e para comunidades vegetais sobre "terra rossa". É ainda um dos dois locais conhecidos para Chaenorrhinum serpyllifolium subsp. lusitanicum (endemismo lusitânico, considerado "vulnerável".
 
O cabo Espichel, caracterizado pela presença de espécies da flora macaronésica, é o único local conhecido para Convolvus fernandesii (espécie prioritária, endemismo lusitânico e considerado "em perigo") que caracterizam de forma particular este local.
 
Em relação à fauna, engloba um abrigo de criação de morcegos muito relevante para o morcego-de-peluche (espécie classificada "vulnerável"), sendo igualmente importante para outras espécies de quirópteros (i.e. de morcegos), durante o resto do ano. É, ainda, uma das áreas onde ocorre o lepidóptero Callimorpha quadripunctaria (uma borboleta e espécie prioritária).
 
É ainda importante para a nidificação de populações representativas da avifauna rupícola (i.e. de aves cujo habitat são zonas rochosas), incluindo algumas espécies listadas no Anexo I da Diretiva 79/409/CEE (Diretiva Aves).
 
A costa Arrábida/Espichel apresenta, em geral, fundos de baixa profundidade e que se encontram bem limitados pela linha de costa escarpada e pelas grandes profundidades dos canhões de Setúbal e Lisboa. Localizada num vasto setor da costa portuguesa de fundos arenosos, os fundos rochosos da costa da Arrábida constituem uma exceção de natureza muito particular, já que resultam, essencialmente, da fragmentação da própria arriba. 
 
A orientação voltada a sul é única na costa ocidental portuguesa e oferece uma proteção muito eficaz contra os ventos dominantes de Norte. Este aspeto é responsável pela reduzida ondulação o que favorece o desenvolvimento e reprodução de muitas espécies marinhas. Este caráter único de águas calmas contribui para a existência na Arrábida de um número considerável de espécies raras em Portugal.
 
A elevadíssima diversidade da fauna e flora marinhas é uma das suas características mais marcantes, sendo conhecidas mais de 1.000 espécies animais e mais de uma centena de algas. 
Acções do Documento