Você está aqui: Entrada / O ICNF / Notícias / Eventos / Dia do Parque Natural do Tejo Internacional | 18 agosto

Dia do Parque Natural do Tejo Internacional | 18 agosto

Dia do Parque Natural do Tejo Internacional | 18 agosto
Dia do Parque Natural do Tejo Internacional

Pormenores do evento

Quando

2018-08-18
de 00:00 até 00:00

Onde

Parque Natural do Tejo Internacional

Nome do Contacto

Adicionar evento ao calendário

 
Sobre o Parque Natural do Tejo Internacional
 

A classificação do Parque Natural do Tejo Internacional (PNTI) como área protegida (Decreto-Regulamentar nº 9/2000, de 18 de agosto), resulta essencialmente da riqueza natural que alberga, destacando-se o conjunto das arribas do Tejo internacional, que albergam biótopos característicos das paisagens meridionais, caso das zonas de montado de sobro e de azinho e estepes cerealíferas, bem como espécies da flora e da fauna de inegável interesse. 

Destaca-se, igualmente pelo elevado valor, as linhas de água com comunidades vegetais ripícolas associadas e, no domínio da avifauna, espécies estritamente protegidas por convenções internacionais.
 
Neste território foram identificados até à data 610 taxa distribuídos por 92 famílias botânicas, salientando-se desta fitodiversidade as 51 espécies endémicas detetadas. Merecem particular destaque Anthyllis lusitanica e Campanula transtagana cuja área de distribuição se restringe ao centro e sul de Portugal continental; Anthyllis lotoides, bocas-de-lobo Antirrhinum graniticum, labrêsto-de-flor-amarela Brassica barrelieri, Bufonia macropetala, lavapé Centaurea ornata, giesta-branca Cytisus multiflorus, giesta-amarela Cytisus striatus, cravinas-bravas Dianthus lusitanus, salva-brava Phlomis lychnitis, Silene scabriflora, e rosmaninho Lavandula stoechas subsp. luisieri
 
O Parque Natural do Tejo Internacional alberga um importante cortejo faunístico, incluindo mais de duzentas espécies de vertebrados. Dentre estas, onze são consideradas “em perigo”, treze “vulneráveis” e outras tantas “raras”. Entre os mamíferos, presença da lontra Lutra lutra, do gato-bravo Felis silvestris e do toirão Mustela putoris. Numerosas aves com destaque para a ocorrência de espécies com estatuto de “em perigo” como a cegonha-preta Ciconia nigra, o abutre-preto Aegypius monachus e a águia-real Aquila chrysaetos. Presença de alguns peixes com o estatuto de “raro” como a boga-de-boca-arqueada Chondrostoma lemmingi e com o estatuto de “comercialmente ameaçado” como a enguia Anguilla anguilla.

 

Acções do Documento
classificado em: