Você está aqui: Entrada / TURISMO DE NATUREZA / Turismo Sustentável / Carta Europeia de Turismo Sustentável nas Áreas Protegidas

Carta Europeia de Turismo Sustentável nas Áreas Protegidas

Certificação europeia concedida aos Parques que reúnam as condições necessárias para compatibilizar o desenvolvimento turístico e a preservação do património natural e cultural.

Os trabalhos relativos ao sistema de adesão à Carta Europeia de Turismo Sustentável pelas Áreas Protegidas, iniciaram-se em 2001. Desde esse ano até dezembro de 2012, foram acreditadas 107 Áreas Protegidas europeias em 13 países.

Portugal tem acreditadas, desde 2002, duas Áreas Protegidas, o Parque Nacional da Peneda-Gerês e o Parque Natural da Serra de São Mamede.

Na conferência anual da Federação EUROPARC, que decorreu a 12 de setembro de 2009, na Suécia, foram entregues os Certificados de adesão à Carta Europeia de Turismo Sustentável (CETS) a três novas adesões de áreas protegidas portuguesas e uma revalidação, a saber:

  • Parque Natural do Douro Internacional;
  • Parque Natural de Montesinho;
  • Parque Natural do Alvão; e
  • Parque Nacional da Peneda-Gerês, que revalidou a Carta com êxito.

 

Esta certificação europeia é concedida aos parques que reúnam as condições necessárias para compatibilizar o desenvolvimento turístico e a preservação do património natural e cultural, através da aplicação de critérios da sustentabilidade nas atividades ligadas ao turismo e com a implicação de todos os agentes que operam nestes setores.

O então ICNB apresentou uma candidatura para a elaboração simultânea das Cartas Europeias de Turismo Sustentável dos quatro Parques de montanha da região Norte de Portugal acima referidos e, em consequência, o então Departamento de Gestão de Áreas Classificadas do Norte estabeleceu uma estratégia comum para estas Áreas Protegidas, no sentido de todas poderem obter a certificação CETS ao mesmo tempo.

Embora as quatro candidaturas tenham tido uma matriz comum, cada território (correspondente à superfície total dos municípios abrangidos por cada Parque) constituiu a sua própria Equipa Técnica Local, interdisciplinar e suprainstitucional, representativa das principais entidades do território, que procedeu à recolha de informação, elaboração dos documentos, organização de Reuniões Concelhias e de 3 Fóruns, desenvolvimento de Linhas de Atuação e definição das ações que integraram o Plano de Ação de cada candidatura à CETS.

Em 2012, a ZPE do Pico da Vara / Ribeira do Guilherme, em S. Miguel, Açores, passou a fazer parte também desta rede.